Notícias UNETRI

Europa

PORTUGAL APOSTA EM BRASILEIROS PARA IMPULSIONAR UNIVERSIDADES

Pedidos de vistos crescem 35% em um ano e brasileiros somam 12,2 mil matriculados

 

Fonte: www1.folha.uol.com.br – Foto: Biblioteca Joanina, na Universidade de Coimbra, em Portugal; instituição tem mais de 2.000 alunos brasileiros (crédito: Lalo de Almeida - 7.nov.17/Folhapress)

As universidades de Portugal, país com uma das taxas de natalidade mais baixas da Europa e uma população cada vez mais envelhecida, estão apostando nos estudantes estrangeiros, sobretudo brasileiros, como forma de preencher as vagas ociosas.

Nos últimos dez anos, a quantidade de alunos internacionais em instituições portuguesas praticamente dobrou. Houve uma alta de 95%, segundo estatísticas do setor.

Os estudantes brasileiros lideram o ranking.

São mais de 12,2 mil alunos: quase a mesma quantidade que têm, somados, os outros quatro países do top 5: Angola, Espanha, Cabo Verde e Itália.

Os estrangeiros são também uma cobiçada fonte de receita.

Desde 2014, as universidades, inclusive as públicas, podem cobrar valores mais caros do que pagam os portugueses.

As instituições têm liberdade: algumas cobram o mesmo valor, enquanto outras praticam preços até sete vezes mais altos pelo mesmo curso.

 

Mas essa diferença não tem retraído os brasileiros

O consulado de Portugal em São Paulo registrou um aumento de mais de 35% na solicitação de vistos de estudante em 2017, e 2018 deve ter ainda mais pedidos.

Com tanta demanda, a demora pela documentação aumentou. No ano passado, houve quem perdesse o início do ano letivo devido ao atraso no visto.

As instituições de ensino, por sua vez, tentam facilitar cada vez mais a entrada dos brasileiros. Atualmente, 31 delas já aceitam o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

 

A vontade de atrair brasileiros também cria novos produtos de olho nesse público

A Universidade Nova de Lisboa, por exemplo, lançou um pré-semestre acadêmico destinado ao mercado internacional, com muita ênfase nos estudantes brasileiros.

Espécie de "test drive" dos cursos e do ambiente universitário, o pré-semestre garante um período de orientação e aulas de adaptação antes de começar a graduação para valer.

A ideia é que os alunos tenham contato com o ambiente acadêmico da Europa e se familiarizem com os diferentes cursos e a realidade de Portugal antes de baterem o martelo sobre que curso fazer.

"É um processo muito menos traumatizante para o aluno. Isso é muito mais fácil do que ele estar no Brasil e se candidatar para uma coisa que ele não conhece, vir para cá e ter de ficar quatro anos aqui", diz o vice-reitor João Amaro de Matos.

 

Coimbra

Pioneira na incorporação do Enem, em 2014, a Universidade de Coimbra é a mais brasileira entre as universidades estrangeiras. São mais de 2.000 alunos, entre graduação e pós-graduação.

Segundo a instituição, a demanda dos brasileiros pela universidade tem sido tão grande que quase 500 interessados não foram admitidos.

A Universidade do Algarve também tem uma comunidade brasileira expressiva: são mais de 600 estudando lá.

O número de brasileiros cresceu 59% de 2017 para 2018, sendo ainda mais acentuado nos mestrados: uma alta de cerca de 103%, em 35 cursos diferentes.

Compartilhe esta notícia: