Notícias UNETRI

Modelo

ESCOLA POBRE CAMPEÃ DO ENEM MOTIVA E ATRAI ATÉ ESTUDANTES DA REDE PRIVADA

No Enem 2016, obteve o melhor desempenho entre todas do país com perfil similar: unidades com alunos pobres e que concentram muitas matrículas.

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br – Foto: Escola do interior do Sergipe é destaque no Enem (crédito: Marlene Bergamo/Folha Press)

Lucivaldo Nascimento, de 43 anos, é o único estudante da sua turma de medicina, da Universidade Federal de Sergipe, que trabalha durante o curso.

Desdobra-se entre as atividades práticas da graduação, em Aracaju, e as aulas de biologia que ministra, desde 2006, na escola estadual Dr. Milton Dortas, em Simão Dias (a 100 km da capital).

A presença dele na universidade e na escola representa um capítulo especial para a cidade.

Lá, em 2012, diante do descrédito da maioria dos estudantes em ingressar na universidade, Nascimento fez uma proposta aos alunos:

“Vou me inscrever no curso mais concorrido do vestibular. Não vou só ensinar, vamos estudar juntos”.

Um grupo de 30 alunos topou o desafio.

Com aulas de reforço aos sábados, que o professor ofereceu voluntariamente, houve aprovações, já naquele ano, dois passaram em medicina.

O próprio professor também conseguiu e se forma médico neste ano.

“Muitos alunos moram em povoados na área rural, são de famílias muito pobres, e não tinham motivação para o vestibular. Aos poucos, a cabeça foi mudando e criou-se a motivação que estava perdida”, ressaltou Nascimento, que importância da Lei de Cotas, de 2012, para o processo.

Assim, a escola viveu uma transformação.

No Enem 2016, obteve o melhor desempenho entre todas do país com perfil similar: unidades com alunos pobres e que concentram muitas matrículas.

A Folha de São Paulo calculou as médias dos alunos no Enem 2016 por escola, levando em conta o nível socioeconômico das unidades.

Pesquisas mostram forte relação entre esse perfil socioeconômico e o desempenho escolar dos alunos.

A escola de Sergipe tem características desafiadoras.

São 1.200 alunos de ensino médio. Em 2016, havia 245 no 3º ano, e 216 fizeram o Enem.

A média da escola, de 499,75 pontos, corresponde a estudantes da manhã, tarde e noite.

É superior à média das escolas estaduais do país, da rede estadual de Sergipe e de escolas do mesmo nível socioeconômico (“baixo”).

Em 2017, 58 alunos conseguiram vaga na federal de Sergipe.

No total, cerca de 150 egressos chegaram a faculdades públicas e particulares.

 

MUDANÇA

Os bons resultados no exame se repetem nos últimos três anos.

A diretora, Daniela Silva, explicou que as primeiras aprovações foram um marco, “ao mostrar que era possível”.

Mas uma nova postura do trabalho pedagógico foi também essencial.

“A direção passou a ser mais rígida. As aulas são planejadas desde o início do ano para serem mais contextualizadas, voltadas para o Enem e para a vida”, disse Daniela.

Os alunos contam com orientação psicológica, discutem-se os planos de vida e profissional e há aulas de reforço aos sábados.

Projetos de música, dança e esportes também têm papel importante.

Os bons resultados têm atraído alunos da rede particular.

Neste ano, 40 jovens migraram de duas escolas privadas para o Milton Dortas.

Filho de uma pedagoga, Tarcísio Renner, de 16 anos, fez essa mudança.

“Minha mãe queria que eu ficasse na particular, mas eu insisti. As turmas lá eram menores, mas aqui eu sinto que tenho voz e o ensino é muito bom”, afirmou o aluno.

Ele quer cursar engenharia da computação e é vice-presidente do grêmio estudantil.

 

DESAFIOS

Simão Dias é um município pobre do interior de Sergipe. O Índice de Desenvolvimento Humano está abaixo da média do país e do Estado.

O perfil da população se reflete na escola, que era a única de ensino médio da cidade até 2017, quando um novo prédio foi inaugurado.

Mesmo com bons resultados, a escola enfrenta dificuldades comuns à rede pública.

Somente após alunos ocuparem a escola em 2016, em protesto contra a reforma do ensino médio, a unidade recebeu reformas que esperava havia quatro anos (as salas ainda não têm ar-condicionado).

Também há faltas temporárias de professores, como o de física no último semestre.

O mais grave problema é uma alta taxa de reprovação, sobretudo no 1º ano (de 23%), o que colabora para um índice preocupante no abandono escolar: 17% em toda etapa.

Daniela Silva, a diretora, diz ter ciência do desafio.

“Muito do abandono é reflexo dos problemas sociais, mas temos nos empenhado para reduzir esses índices”, diz. “Há um mês, ligamos para 200 pais”.

Em 2018, a escola inicia o modelo de ensino integral, o que deve reduzir o número de alunos.

O desafio para a gestão será manter, neste modelo, os alunos mais pobres, que em geral precisam trabalhar e têm dificuldade de ficar na escola em tempo integral.

Compartilhe esta notícia: