Notícias UNETRI

Financiamento Estudantil

PORTARIA COM AS NORMAS DO FIES 2018 É PUBLICADA; FACULDADES TÊM ATÉ DIA 19 PARA ADERIR

Para disputar vagas, estudante precisa ter nota mínima de 450 pontos no Enem.

 

Fonte: g1.globo.com/educacao/ - Foto: Temer durante a cerimônia de sanção do novo Fies (Foto: Presidência da República)

O governo federal publicou, na sexta-feira, 29 de dezembro, no Diário Oficial da União, as normas de funcionamento do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

As datas de inscrições para o primeiro semestre de 2018 ainda não foram divulgadas.

As mantenedoras das instituições de ensino superior interessadas em participar do processo seletivo devem assinar um termo de participação entre 3 de janeiro, até as 23h59, do dia 19 de janeiro próximo.

 

REQUISITOS PARA OS ALUNOS

Para disputar as vagas, os alunos precisam cumprir dois requisitos:

- Ter participado do Enem, a partir da edição de 2010, e obtido média aritmética das notas nas provas, igual ou superior a 450 pontos, e nota na redação superior a 0 (zero).

- Possuir renda familiar mensal bruta per capita de:

até 3 (três) salários mínimos, na modalidade de financiamento do Fies;

até 5 (cinco) salários mínimos, na modalidade de financiamento do P-Fies.

 

MUDANÇAS

Saiba quais são as mudanças aprovadas pelo Congresso:

Fies 1 (sucessor do atual modelo)

Para estudantes com renda familiar de até 3 salários mínimos per capita

Taxa de juros real igual a zero;

Acaba a carência de 18 meses após o fim do curso e o estudante terá que começar a pagar assim que se formar;

Os recursos virão de um Fundo Garantidor, mantido obrigatoriamente pelas faculdades, que terão que fazer aportes proporcionais à sua taxa de inadimplência. A União está autorizada a colocar até R$ 3 bilhões nesse fundo. O texto-base previa que a União não poderia fazer aportes adicionais, mas esse trecho foi retirado do projeto.

Fies 2 (nova modalidade)

Para estudantes com renda familiar de até 5 salários mínimos per capita

Taxas de juros usadas para empréstimos dos fundos regionais, hoje na ordem de 2,5% a 3%

Os recursos virão de bancos regionais do Norte, Nordeste e Centro-Oeste e os fundos constitucionais de financiamento dessas regiões.

Os empréstimos serão geridos por esses bancos;

Os financiamentos só poderão ser concedidos nessas regiões.

Objetivo é diminuir as desigualdades regionais.

Compartilhe esta notícia: